Viagem | Maceió - Dia 1 - Reconhecendo o ambiente

Oi, gente! 😝
Estou de volta para a vida real e também para o blog. 🎊 Fiquei um tempo sumida, pois estavam acontecendo muitas coisas ao mesmo tempo na minha vida. Precisei apertar o "pause", rs

Nesse meio tempo fiz minha viagem para Maceió (com o nem) e agora vou contar para vocês como foi. 🛩
Vem comigo 😉



Como moro no interior de São Paulo, o nosso voo saía de Campinas às 08h10.
Saímos de casa 5 horas da matina em direção ao aeroporto Viracopos. Calculamos aproximadamente 1 hora de estrada até lá + 1 hora de antecedência necessária para o voo + 1 hora de folga para o caso de algum acidente ou trânsito no caminho.
Já havia feito o check-in online, então foi só chegar e despachar a bagagem. Enquanto esperávamos para embarcar, meu namorado aproveitou para tomar um café (naquele "precinho básico" de aeroporto kkk)
O tempo de voo até Maceió é de aproximadamente 3 horas e foi bem tranquilo. A Azul, como sempre, maravilhosa. Com a TV à bordo a viagem passou muito mais rápido. 


AVIÃO AZUL CAMPINAS/MACEIÓ

Chegamos no aeroporto de Maceió perto das 11 horas. Localizamos a equipe do nosso traslado e fomos para o microônibus em direção ao nosso hotel. Já chegamos levando chuva para a cidade, rs. Pois é, estava chovendo. Mas o calor ainda estava lá.

Como o meu hotel tinha a opção de check-in online, já deixei tudo pronto e chegando lá, foi só pegar a chave/cartão do apartamento e subir. Ficamos hospedados no Coqueiros Express. Hotel simples, mas com uma localização excelente. Recomendo muito.

Para o dia de chegada não compramos nenhum passeio, então fomos procurar algum quiosque para almoçar. Andando pela orla, começou a chuviscar um pouco e paramos no quiosque mais próximo. No caso era o Carlito's. 
A comida era boa, porém não servia tão bem 2 pessoas, como o garçom disse. A cerveja não era o melhor preço do mundo, mas como a intenção não era ficar ali a tarde toda, então ok.

ALMOÇANDO NO CARLITO'S


A chuva deu uma trégua e resolvemos andar mais um pouquinho na orla. Encontramos uma barraca chamada "Eu e tu". A cerveja tava num preço legal e acabamos ficando ali o restinho da tarde. Também tinha opções de petiscos com preço legal, mas acabamos não comendo nada. 

BARRACA EU E TU - E A CARA DE ACABADOS

Quando decidimos ir embora, adivinha? Chuva de novo kkk Chegamos no apartamento e lá ficamos a noite toda. Como o hotel era maravilhoso e tinha um wi-fi potente e gratuito (inclusive nos quartos), baixei o aplicativo Ifood e pedi lanche por lá mesmo. Escolhemos a Mario's Burgers. Os lanches eram bons, nada de muito diferente, só pecou um pouco no tempo de entrega. 


Como a chuva ainda estava firme (e somos velhos) ficamos no hotel mesmo.

Ia fazer um único post, mas vai ficar muito longo... Então vou dividir por dias.
Clicando aqui você pode ver todos os posts da viagem ou clique aqui para ver o que fiz no segundo dia de viagem.

Até breve,
Fran Scandolara

Minimalismo | O irritante hábito de diminuir o que os outros estão fazendo

Oi, gente!


Como quem me acompanha aqui sabe, faz algum tempo que sou adepta ao minimalismo, principalmente relacionado ao estilo de vida. Gosto muito de participar de grupos sobre o assunto no facebook, pois naqueles dias em que estou à toa, apenas passando a tela do face no celular e me deparo com uma postagem de um assunto que gosto tanto, me deixa muito mais feliz.
Em um dos grupos que participo, postei o link para esse texto meu em que faço uma reflexão sobre existir ou não padrão para o minimalismo, um dos membros comentou algo que me deixou pensando até hoje... Fica entre nós a impressão de que as pessoas gostam de impor/ditar regras, apenas para depois encontrar alguém que não segue todas elas e apontar o dedo para quem é "fora do padrão".

Como já falei em mais de um texto meu sobre meus aprendizados com o minimalismo, a única regra que eu consigo perceber ser universal a todos é a que diz que a pessoa minimalista é a que vive apenas com o essencial. Cada pessoa conhece sua rotina, suas necessidades e pode definir o que é essencial para si mesmo. Como uma pessoa que não te conhece, não sabe quais são os seus hábitos diários, pode querer dizer o que você deve ou não ter para ser considerado minimalista?

Esse é outro motivo pelo qual gosto dos grupos sobre minimalismo no facebook: diversidade. Em um único lugar encontramos pessoas que encaram o mesmo estilo de vida de formas completamente diferentes, com objetivos pessoais completamente diferentes.
  • Algumas pessoas gostam da ideia de ajudar ao meio ambiente, diminuindo o consumo e produção.
  • Algumas pessoas gostam da ideia de não comprando tanto, poder ter mais tempo - no caso não trabalhando tanto.
  • Algumas pessoas gostam da ideia de diminuindo o consumo, ter mais dinheiro para viver experiências, como viajar, por exemplo.
  • Algumas pessoas gostam da ideia de diminuindo a quantidade, ter mais dinheiro para investir em peças com mais qualidade, muitas vezes artigos luxuosos.
E, com certeza, existem muitos outros exemplos, que eu não citei. E qual o problema disso? Qual o problema em existir diversidade?
Precisamos aprender a parar de apontar o dedo para as outras pessoas e de querer mandar e desmandar sobre o que elas devem ou não fazer - e isso serve para todos os setores da vida.
Acredito muito que a única maneira de mudarmos é ouvindo a opinião dos outros, que muitas vezes, não têm nada em comum com a nossa, mas que com certeza, nos darão oportunidade para ver a mesma situação através de um novo ângulo.

Que tal sermos mais flexíveis?

Até breve,
Fran Scandolara 

Você pode gostar também desses textos aqui