Minimalismo | Mudando alguns hábitos

Oi, gente!

Estava pensando comigo em como a minha geração pode mudar o mundo e influenciar as gerações mais novas. Percebo entre os meus amigos, o desejo crescente em SER enquanto em pessoas mais velhas o principal desejo aparente ainda é o TER.
Minha geração cresceu ouvindo falar sobre o aquecimento global, o consumo desenfreado e acredito que essas tenham sido influências inconscientes que fizeram o interesse pelo mundo minimalista crescer.

O que percebo que acontece é que muitos de nós não sabemos por onde começar a praticar o minimalismo e acabamos nos perdendo e confundindo um pouco as coisas, a questão não é ter o menos possível, e sim termos apenas o que nos é suficiente. Sem excessos.

Assim, resolvi dar algumas dicas de mudanças de hábitos que aos poucos fui me envolvendo e me ajudando a desapegar do consumo que ainda tinha:

- Você precisa mesmo ganhar/pegar brindes?
Sabe aquela sensação de que se estão dando algum brinde é porque merecemos? Ou então é porque o valor do brinde já está embutido no valor final da nossa compra? Então... Abandone esse hábito. A menos que o brinde seja algo que você realmente esteja precisando, que tal não pegar? 

- Moda
A moda sempre muda e isso não é segredo para ninguém. Sabe aquela bota cheia de franjas que estava super em alta? Então, nesse inverno já não é tão in assim. Algumas pessoas tem estilo para usar a peça quando bem entenderem e se você é uma dessas pessoas, meus parabéns. Entretanto, minha dica é investir em peças clássicas. Aliás, a real dica é descobrir o seu estilo e investir em peças que o complementem.

- Aprenda a dividir
Dividir é um ato de carinho e além disso, desacelera o processo de consumo. Roupas, maquiagem, livros e muitos outros artigos podem ser divididos no seu círculo social. 

- Compre usado ou em lojas pequenas de fabricação própria
Evite comprar das grandes marcas. Sempre que possível adquira coisas em brechós ou então em lojas pequenas, de pequenos empresários, que possuem fabricação própria, muitas vezes sob medida. É uma maneira de aos poucos ir se livrando das lojas fast fashion.

- Presentear
Nesse post aqui falo um pouco mais sobre como o minimalismo e os presentes podem andar juntos. Mas, em suma, procure presentear as pessoas com experiências ou com algo de que elas realmente precisem.

E você? Já mudou algum hábito que ajudou a ser uma pessoa mais leve?
Qual sua experiência com o mundo minimalismo?

Até breve,
Fran Scandolara


E você, quais hábitos acabou adquirindo ou mudando com o minimalismo? Quais gostaria de mudar?

Economizando | Fantasias de Carnaval com roupas que já temos em casa

Oi, gente!
Estava aqui pensando em como as coisas estão difíceis $$$... Com o carnaval chegando, o jeito é improvisar uma fantasia com peças de roupa que já temos em casa.

Assim, pesquisei algumas ideias na nossa velha e boa internet e fiz um apanhado das que achei mais fáceis e legais:

  • Anjinha
Vestido delicado em cor clara ou branca + tiara ou headband (para simular a auréola) + sapato em branco ou dourado.
Para as mais criativas, vale fazer sua própria asa de anjo, com penas.

  • Anos 60
 

Essa é um clássico! As cores características são vermelho, branco e preto.
Vestido de poá + tiara + óculos de gatinho.

  • Bruxa
 
Vestido preto + botas de cano longo + chapéu + make forte babado.

  • Coelhinha da Playboy
 

Maiô preto sem estampa + meia arrastão + acessórios: tiara de coelhinha, luvas e gravata borboleta.

  • Cowgirl
Essa é bem fácil.
Calça jeans + corset em cor escura ou camisa xadrez + bota + chapéu.

  • Diabinha
Se joga no vermelho! 
Vestido + sapatos + batom + acessórios: chifrinhos e tridente.


  •  Mágica/Ilusionista
Peças em preto, branco e se conseguir, prata, dão o ar dessa fantasia. 
Camisa branca + shorts preto rendado ou em alfaiataria + acessórios: chapéu, varinha, luvas e gravata borboleta.

  • Viúva Negra

Vestido preto (independente do comprimento) + meia arrastão ou normal preta + luvas + chapéu com tule ou flor preta.

  • Ladrão
Bem simples!
Camiseta listrada + shorts preto + touca preta.

  •  Marinheira
 
Essa é a minha favorita. As cores navy são a base: azul, branco e vermelho. 
Blusinha listrada + saia + sapatilha .

  • Noiva
 Simples e linda. 
Vestido branco + buquê de flores + sapato branco.

  • Pirata
 Blusinha de manga longa listrada + bandana + shorts preto + tapa-olho.

  • Dorothy
 Acho fofa.
Vestido na cor azul + blusinha branca para colocar pôr baixo (opcional) + sapatinhos vermelhos com meia.

  • Wally

Camiseta listrada em vermelho e branco + shorts ou calça azul + gorro.

O que acharam? Dá para economizar e ser criativo ao mesmo tempo.

Até breve,
Fran Scandolara

Livro | Não conte para a mamãe - Toni Maguire

Oi, gente!
Hoje resolvi fazer uma resenha sobre um livro que li. Durante a resenha, posso dar alguns spoilers, mas será importante para o entendimento.




Título: Não conte para a mamãe - Memórias de uma infância perdida
Editora: Bertrand Brasil
Autora: Toni Maguire

Sinopse:   A frase que dá título ao livro de Toni Maguire, Não conte para a mamãe, poderia ser uma pacto ingênuo entre dois irmãos ou uma brincadeira entre crianças. Infelizmente, não é o caso. Na verdade, é a ameaça sofrida pela autora durante os quase dez anos em que foi violentada pelo próprio pai. Quando aconteceu pela primeira vez, a pequena e inocente Antoniette tinha apenas seis anos. Apesar da tenra idade, tudo ficou gravado em sua memória, o tempo nada dissipou: os detalhes, os sentimentos, a dor. Foi a primeira de muitas, incontáveis vezes. Não conte para a mamãe, de Toni Maguire, desvela a comovente história de uma infância idílica que mascarava uma terrível verdade.
*******************************************************************************************************************

É difícil saber como começar a falar desse livro.
É um assunto muito polêmico, angustiante e ele não demora a aparecer - lá pela página 30 já acontece o primeiro relato de abuso.
Precisamos primeiro nos ambientar lendo esse livro, pois apesar de ser um assunto ainda (infelizmente) bastante atual, o abuso de Toni acontece na década de 50, quando as pessoas ainda não eram tão preparadas para tal assunto, não havendo assim Conselho Tutelar, nem professores capacitados para perceber os pequenos sinais (não tão pequenos) que nós mesmos conseguimos perceber no decorrer do livro.
Um outro fato importante, que algumas pessoas demoram a perceber, é que a autora do livro foi quem recebeu todos os abusos. Ou seja, essa é uma história real.
Nesse livro encontramos três personalidades: o pai abusivo, a mãe permissiva e a filha sofredora.

A história começa com Toni chegando ao hospital onde sua mãe Ruth está internada nos últimos dias de vida. Ela é a única pessoa que está acompanhando a mãe. Seu pai aparece para visitas nada frequentes, inclusive no dia da morte de Ruth, ele sequer aparece para se despedir - prefere ficar na esbórnia com os amigos.
É no hospital que Toni começa a ter de volta as lembranças dos abusos e negligências que sofreu durante praticamente 10 anos, e que na fase adulta da vida havia bloqueado.
Assim, descobrimos que Antoniette - a Toni - foi uma criança feliz até os seus seis anos, época em que vivia apenas com a mãe e a avó inglesa na Inglaterra, tendo visitas esporádicas do pai que servia ao exército e, portanto, não convivia com elas. Quando o seu pai recebe a dispensa e volta a morar com elas, conseguimos perceber aos poucos o quanto essa mãe é apaixonada por ele e dedica toda sua atenção para tal.
Eles se mudam para Irlanda do Norte para morar próximo aos familiares deles. A partir desse momento percebemos que o pai é uma pessoa inconstante com diversas mudanças de humor, sendo descrito por ela como pai bondoso e pai malvado. A princípio ele desconta sua raiva colocando-a de castigo por motivos bobos e algumas vezes até batendo nela. Diversas vezes durante o livro ele faz algumas armações para que a mãe fique brava com a filha, fragilizando ainda mais a pequena Toni.
Durante o livro todo percebemos a necessidade que a pequena Toni tem em agradar e ser amada por sua mãe. Aí que o abuso piora todo o psicológico da pequena. Quando o pai a beija pela primeira vez e pede para que não conte para a mamãe, ele aproveita para afirmar que se contar a mãe não vai mais gostar dela e as outras pessoas também não. Mesmo diante dessa "ameaça", Toni conta para sua mãe que apenas a olha e diz para nunca mais tocar nesse assunto.
Logo começam os passeios de camionete com o pai e ali os abusos passam a ser sexuais. É terrível toda vez ler os relatos e lembrar que ela era uma CRIANÇA! A mãe, em momento algum questiona os passeios.
À partir desse momento começamos a perceber a mudança da mãe com a filha. Toni é tirada da escola que amava e enviada para uma escola que fica à 6km de onde mora e que precisa ir a pé todos os dias. A mãe para de cuidar de sua filha: roupas, cabelos... A criança parece não ter os pais, diante de tanto desmazelo.
Para nós leitores é bastante perceptível o marco entre antes e depois dos abusos.
A mãe vive em um mundo de fantasias, onde sua família é perfeita e para isso parece se manter alheia aos abusos da filha. Aliás, fica claro que ela disputa o amor do marido com a filha à partir do momento em que ela negligência os cuidados com a filha, para que o marido não tenha mais interesse por ela. Ela parece simplesmente esquecer que são mãe e filha.
Os abusos de Toni só param depois que ela descobre que está grávida e sua mãe providencia um aborto para ela. O aborto acontece, mas quando já está em casa começa a ter muito sangramento e ao chamar a ambulância a mãe podendo optar entre dois hospitais, escolhe o hospital mais distante, mesmo sabendo que a filha pode morrer devido ao sangramento.
À partir daí, resumidamente, o pai é denunciado por uma amiga de Toni e é condenado à prisão. Mas o inferno de Toni ainda continua ao perceber que o pai tinha razão sobre ninguém mais gostar dela. Todos se voltam contra a menina, agora adolescente, é expulsa da escola, deixando para trás seu sonho de fazer faculdade. Ela não é tratada como vítima, pelo contrário, as pessoas afirmam que ela queria, que compactuava pois não ficaria levando essa vida durante tanto tempo. Em nenhum momento as pessoas questionaram a atitude dos pais.
Li esse livro em três dias. A leitura é bastante fluída, mas atribuo a rápida leitura pelo fato de ele ser tão angustiante que não queria ficar presa a história por muito mais tempo.
Me fez pensar e, muito, não apenas nos casos de pedofilia, mas nos casos de abuso em geral, pois apesar de ser uma história acontecida na década de 50 ela ainda é muito presente nos dias atuais. 
Precisamos aprender cada dia mais a nos colocar no lugar da vítima e ajudá-la de qualquer forma. 






Sobre este livro: ♥ 

Até breve,
Fran Scandolara

Pensamentos | 10 aprendizados que levo para vida #franfez25

Oi, gente!
Sábado foi meu aniversário :)

Fiz 25 anos e posso dizer que tenho alguns aprendizados que gostaria de compartilhar com vocês.
Então vamos lá:

 {1}Viva os seus momentos felizes independente do que falam
Esse é o meu conselho-chefe para todos os meus amigos. Sabe quando você está muito feliz, mas fica com o pé atrás, com aquele sentimento de que é muito bom para ser verdade? Ou quando seus amigos começam a dar palpites sobre a sua felicidade? Então! Deixe tudo isso para lá, viva sua felicidade ao máximo. Porque, desculpe jogar assim na sua cara, quando você estiver triste ninguém vai viver sua tristeza por você. Podem até bater a mão nas suas costas e dizerem que sentem muito, mas a sua tristeza vai ser só sua. Então se joga!


{2}Aprenda a dizer não
Você não precisa dizer sim para os outros só para ser uma pessoa legal. Não quer? Diga não. Não precisa da sugestão? Diga não. Não concorda em fazer algo que não é sua função no trabalho? Explique que não. Enfim, é simples. Se algo te incomoda a ponto de não querer fazer, não faça.

{3}Permita-se dizer sim
Parece contraditório, mas não é. Permita-se dizer sim para si próprio. Para suas vontades, seus sonhos, seus objetivos. Muitas vezes por medo do julgamento alheio deixamos de fazer coisas que temos vontade.


{4}Menos é mais
Você não precisa de muitas coisas para viver. Isso não quer dizer que você não precisa ter nada, mas sim que você deve descobrir o que é suficiente para você. Viva apenas com o que te traz alegria.

{5}Gentileza é universal ou não é gentileza
Sabe aquela pessoa que é super gentil, prestativa e educada com você? Pois bem, veja como ela trata outras pessoas. O garçom, o porteiro, o manobrista... Se ela não for isso tudo com todos, na realidade ela não é com ninguém.

{6}Explique o que você quer
Algumas pessoas simplesmente não entendem sinais e indiretas. Algumas vezes você mesmo não consegue passar uma mensagem desse jeito, quem dirá outra pessoa entender o que você quer dizer. Então para não se frustrar e nem deixar a outra pessoa sem entender o porquê de você estar bravo, explique exatamente o que você quer. Muito mais fácil e rápido.

{7}O não você já tem 
 Sabe aquele medo de pedir algo para alguém? Uma folga, um aumento, uma ajuda... Então, se você não perguntar nunca vai saber. E convenhamos, o não você já tem. Que tal arriscar pelo sim?

{8}Beba água
Essa é bem auto-explicativa, rs. Mas, sério! Beba água. Muita água. O tempo todo. Faz bem para o seu corpo, sua pele, seus órgãos. Só vantagens! 

{9}Não compare o palco dos outros com o seu bastidor 
Não fique comparando sua vida com a dos outros! Quantas vezes ficamos deslumbrados com a vida de alguém e acabamos nos sentindo mal com a vida que temos? Muitas, né. Mas é importante lembrar que as pessoas só nos mostram o que querem que a gente saiba. Muitas vezes o "bastidor" dela, o que ela passa sozinha, fica escondido e sequer imaginamos o quanto a vida dela pode ser parecida com a nossa.
  
{10}Cultive suas amizades
Amizades precisam e devem ser cultivadas. Não, você não precisa estar conectado aos seus amigos todos os dias, 24 horas por dia. Mas, aquele "Oi, como você está?" de vez em quando é o suficiente para demonstrar o seu interesse pela vida do seu amigo. Cada dia que passa nossas vidas ficam mais corridas e muitas vezes acabamos deixando passar essas oportunidades de um contato, mesmo que breve, para saber como estão as coisas.    
E uma dica extra: a vida sempre continua. Aproveite as oportunidades de recomeçar.

Até breve,
Fran Scandolara

Organização | [atualizado]Objetivos para fevereiro

Oi, gente!
Conforme mostrei no post anterior (clique aqui), tracei minhas metas do ano através da roda da vida.

Para fevereiro tenho os seguintes objetivos para concluir para ficar mais próxima da realização das minhas metas:

  • Iniciar o curso de design de sobrancelhas
  • Iniciar o curso de guia de viagem
  • Iniciar o curso de idiomas
  • Fazer uma lista de afazeres diários para a agência
  • Atingir 7.000 visualizações
  • Estudar a matéria completa de Português para concursos
  • Criar uma planilha inteligente para minhas contas
  • Criar uma planilha inteligente para as contas da casa
  • Não comprar nada parcelado
  • Emagrecer 2kg
  • Ir na academia de segunda a quinta, pelo menos
  • Não comer bolacha recheada
  • Fazer exames pendentes
  • Criar uma rotina de cuidados com cabelo, unhas, depilação, etc
  • Ajudar na organização da casa
  • Organizar meu guarda-roupa, sapatos e bolsas
  • Planejar minha viagem com o love
  • Ir à igreja pelo menos 1x no mês
Será que consigo? No final do mês compartilho com vocês o que foi possível de realizar!

Até breve,
Fran Scandolara