Minimalismo | Quando descobri que tinha coisas demais...

Oi, gente!


Não sei dizer ao certo quando foi a primeira vez em que ouvi a palavra minimalismo, mas posso dizer que o interesse por esse universo se intensificou no ano passado, depois que comecei a ver vídeos de armário-cápsula.
Os meus primeiros contatos, ainda que leves, com o minimalismo foram através dos canais da Luiza Ferro e da Elisa Langsch, Aos poucos, meu interesse foi aumentando e quando vi já falava sobre as vantagens de diminuir o consumo com meus amigos.
Tentei me adaptar ao armário-cápsula, mas descobri que o método ainda não é o melhor pra mim, preciso desenvolver melhor meu estilo para depois priorizar apenas o que me cai bem. No momento, o método mas eficaz tem sido o KonMari, da Marie Kondo, que não só ajuda a organizar como também, e principalmente, a destralhar.

Depois do primeiro contato, com o passar das semanas, eu comecei a entender de onde vinha me irritação ao entrar na minha casa. De onde vinha aquela sensação de incômodo e impotência de não saber o que fazer. Eu tinha coisas demais. E inconscientemente eu tinha tomado consciência disso.
Mas não, eu não saí me desfazendo das minhas coisas sem critério algum. É o que eu sempre digo aqui, até as coisas boas quando levadas ao exagero se tornam ruins. Eu decidi então pesquisar como começar o minimalismo. Comecei a me descobrir, entender o que de fato era excesso na minha vida.

A primeira grande mudança pra mim, foi deixar de comprar porque simplesmente queria algo e começar a comprar apenas o que eu realmente precisava. Nunca fui a louca das compras, até porque a situação $ nunca permitiu isso. Mas dois fatos, dois padrões de consumo na verdade, podem ser usados como exemplo: sempre fui gorda (ou acima do peso, tanto faz) e sempre (desde a adolescência) calcei 39/40. Isso acabou me trazendo o seguinte padrão de consumo: Serviu? Então compra, pois pode ser que depois você não encontre mais o seu tamanho. Resultado: muitas peças de roupas e sapatos que simplesmente não representam meu estilo em nada, mas ficaram paradas durante muito tempo no meu guarda-roupa somente pelo medo de depois precisar e não encontrar nada que me servisse.

Esse é apenas um exemplo de padrão de consumo. Por isso, é importante que você comece a observar o por quê de ter tantas coisas. Buscando a fundo você vai acabar descobrindo.
Além disso, como eu disse um pouquinho antes, a situação financeira nunca foi muito boa lá em casa. Nunca me faltou nada, mas também nunca pude fazer uma escolha pela melhor marca, por exemplo, por não ter dinheiro. E aí entra outro benefício do minimalismo. Deixando de comprar o que você não precisa, o dinheiro parece começar a render no final do mês.

Hoje, percebo como o minimalismo pode ser libertador e estimulante.
E você? Qual a sua experiência com o minimalismo?
Aproveite 2017 e saia da sua zona de conforto, liberte-se de padrões de consumo. Seja feliz!

Até breve,
Fran Scandolara

Comentários

  1. Uau,,amei seu post. Comecei a assistir a Elisa Langsch ano passado,ela é uma inspiração pra mim <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Eli!
      Amo os vídeos dela. Ela fala de uma maneira bem próxima de nós, né?

      Beijos!

      Excluir
  2. Muito legal seu post,devemos realmente pensar no motivo do nosso consumismo pra assim acabarmos com ele. Estou nesta jornada tem mais ou menos um ano, pra mim tem sido um período de descobertas, um exemplo é que aprendi a cozinhar, pois tenho muitos utensilios de cozinha e que não eram usados praticamente, para saber o que eu mantinha tive que experimenta-los e acabei ganhando um hobbie, cozinhar.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal. E é verdade mesmo. As vezes a gente tem coisa de mais e mesmo assim não somos felizes.
    http://www.completamentemisturado.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu estou a alguns meses me libertando desse consumismo desenfreado... e também do fato de acumular tantas coisas. Também sou gorda e calço a mesma numeração que você e te entendo. Consegui emagrecer 30 quilos e me livrei de muitas roupas, vendendo-as em um brechó e revertendo o valor da compra em outras roupas, para evitar comprar roupas novas... me desfiz de 152 peças e ainda tenho umas 200 para desentulhar rsrsrs mas é um processo. Ninguém se torna minimalista da noite para o dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jac
      Tô precisando perder esse peso aí também. Parabéns!!
      Sim, ninguém se torna minimalista do nada. É aos poucos que vamos percebendo as mudanças.

      Beijos!

      Excluir
  5. Incrível post. Para ser honesta fui ler pela primeira vez sobre o minimalismo recentemente quando uma participante de um programa de TV mencionou sobre isso depois de ser "zoada" na internet. Achei uma coisa linda! Muito bacana e interessante isso de método de organização e essa conscientização que tomamos. Achei bem importante esse exemplo. Eu sou gorda também e sempre agi desta forma. Melhor comprar agora para não correr o risco de não achar, certo? E acabo acumulando peças que nunca vou usar na vida! Então você abriu minha mente agora. É de fato um padrão de consumo que eu não me dava conta. E talvez seja hora de mudar né. Acho que preciso de uma experiência com o minimalismo. Obrigada pelo post! 2017 é o ano de mudanças! Obrigada <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daia
      Fico feliz de ter te dado uma luzinha para esse novo estilo de vida. Temos alguns padrões de consumo tão enraizados que demoramos para perceber.

      Aos poucos vamos conseguindo.
      Beijos!

      Excluir
  6. Oi Fran, adorei o seu post, bem inspirador. Faz a gente repensar algumas coisas. Confesso que eu nunca fui consumista, na verdade sempre me faltaram muitas coisas. Houve uma época que eu só tinha 5 blusas pra ir trabalhar... uma pra cada dia da semana e olhe lá. A situação melhorou um pouquinho e passei a comprar mais, mas controlo muito minhas finanças e isso me ajuda a pensar bastante antes de comprar algo novo, mas mesmo assim a gente acaba acumulando, né? Aquelas coisinhas que dão pena de jogar fora, de doar... mas eu tento, rs.

    Boa sorte no seu novo estilo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Amanda!
      Controlar as finanças é um dos primeiros passos para evitar compras desnecessárias, realmente.

      Obrigada!
      Beijos!

      Excluir
  7. Como já disse aqui em alguns posts, acho o minimalismo um estilo de vida maravilhoso, embora eu ache que não tenha muito a ver comigo, Sou defensora de que cada um deve viver do modo como se sente bem, contanto que isso não vire um problema patológico, como você disse. Não gosto de guardar coisas que não em são mais úteis, mas estou bem longe do padrão minimalista hehe. Parabéns por essas conquistas :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lu!
      Realmente é um estilo de vida maravilhoso, mas ainda não sou um exemplo kkk O importante é sempre ter o essencial para nós.

      Beijos

      Excluir
  8. Eu também sempre fui gorda e tinha essa preocupação com roupas, sentia que nenhuma iria me servir e quando uma me servia finalmente eu simplesmente me forçava a achá-la bonita, afinal, vou usar o que se não aquela roupa? É triste pensar assim, mas a sociedade não nos dá tantas opções já que as roupas que ficariam lindas na gente são o dobro/triplo do preço :/

    O minimalismo chegou pra ajudar a vida de todo mundo, por mais que seja meio complicadinho no começo, logo a gente percebe o quanto tava perdendo por não adentrar nesse mundo <3

    Beijos ♡
    misinwonderland.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mi,
      É tão difícil encontrar uma roupa bonita e com um preço justo, né? Mas não podemos desanimar.

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Queridinhas dos Seguidores

Compras x Destralhe | Setembro 2.018

Favoritos do Youtube | Setembro 2.018

Livro | Anjo da Escuridão - Sidney Sheldon